Oh mar salgado...

Oh mar salgado...
"100 Limites"

"100 Limites"

"100 Limites"
Documentos

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

ODES MARÍNTIMAS- 5 in "descompasso" por José Blanc de Portugal

MAR que flutua no mar abusivamente medonho
          Antóni Maria Lisboa. Isso. Ontem. Único

MAR no MAR do meu pensar-amar
MAR que não é só o dos oceanos
Mas o de toda a água que há na terra
MAR de toda a água que há no ar
MAR de toda a água que há no fogo
MAR de toda a água posta em jogo
Nos milhões de anos da Terra a navegar
Sua rota incerta pelos universos
De que nada sabemos como eu
Jamais poderei escrever em versos
O amor-terror-sagrado que é o meu
Por ti meu/minha MAR de afeição
Que talvez não deva amor chamar-se
Mas é mar-oceano___e, como não
Amor chamar-lhe ao falar-se
De mar num mar ilimitado
Onde não há futuro nem passado?

                                                                                    Rio, 13-12-75
                                                                                            in "descompasso" de José Blanc de Portugal

Um comentário: